A Solista Maria Emilia Botelho Hubler é a convidada da Orquestra Sinfônica Municipal de Americana para um concerto na Igreja Presbiteriana Central neste domingo, 7 de Agosto, às 20h. No repertório Beethoven e Germano Benencase. A regência é de Álvaro Peterlevitz. O evento faz parte do projeto “Sinfônica Convida” da Secretaria de Cultura e Turismo de Americana.

Maria Emilia Botelho Hubler é pianista, professora de piano e conferencista, possui grau de mestrado em piano concedido pela “Esther Boyer College of Music“, Temple University em Filadelfia, Estados Unidos. Bacharelado em piano pelas FAAM ( Faculdades de Artes Alcantara Machado), em Sao Paulo. Professora associada com o “Taubman Seminar” em New York e em Filadelpia.

Em 1997 solou com a “Orchestral Society of Philadelphia“, com o Concerto em do menor op. 37 de L. van Beethoven.

Participou em 1985 e 1989 do Curso Universitário Internacional de Música Espanhola em Santiago de Compostela, Espanha, com bolsa de estudos do governo Espanhol. Em Madri apresentou-se em recital solo na Casa do Brasil, sob o patrocínio do Serviço Diplomático Brasileiro.

Há mais de vinte cinco anos ensina piano. Ensinou piano e o método Suzuki na divisão preparatória da Temple University em Filadelfia, Academy of Community Music em Fort Whashington, PA. e Haddonfield School of Performing Arts, Haddonfield, NJ. Obteve treinamento do Método Suzuki com Dr. Ray Landers, Dr. Haruko Karaoka and Ms. Joan Krzywicki. Foi diretora de música em varias Igrejas na área de Filadélfia, por quatorze anos.

Outro solista convidado é Anerlindo Rodrigues. Nascido em Paraguaçu, MG, em 1957. Ao se deslumbrar com uma gravação de Dilermando Reis, abraça aos oito anos de idade definitivamente o violão. Segue exercitando até hoje os mais variados gêneros musicais. Defende a música instrumental como poucos, escrevendo para violão num estilo personalíssimo que emociona na sonoridade bem timbrada de seu violão.

Interpreta autores como: Badem Powell, Ernesto Nazareth, Paulinho Nogueira, Villa Lobos e tantos outros. Escreveu o choro “Eta JK” para as comemorações dos 90 anos de nascimento do ex-presidente Juscelino Kubitschek, executando-o na primeira Semana JK (1992), em Americana, num recital oferecido à Vice-Governadora do DF, Márcia Kubitschek. Para homenagear pessoas ligadas historicamente a JK, compôs e editou em partituras, uma série de peças para violão tais como: “Caro amigo”, “Catetinho” , “Toniquinho de Jataí” , somadas a um repertório de cerca de 25 obras, 10 delas gravadas em 1999 no CD, “ViolãoBrasileiro”.

Repertório

Ludwig van BEETHOVEN (Alemanha e Áustria, 1770-1827)
Sonata para Piano Op. 31, nº 3, em Mi b Maior (1802)
- Allegro
- Scherzo: Allegretto vivace
- Menuetto: Moderato e grazioso
- Presto con fuoco

Solista ao piano: Maria Emília Hubler

Michel SCHEIR (Brasil, n. 1957)
Concertino para Piano e Sopros, Op. 55 (2009), em três movimentos

Solista ao piano: Maria Emília Hubler

Anerlindo RODRIGUES (Brasil, n. 1957) / Arr. Álvaro Peterlevitz
“Carmensita” (2006) / “Minha Saudade” (2011)
(pout-pourri em forma de scherzo e trio,para violão e pequena orquestra)

Solista ao violão: Anerlindo Rodrigues

Germano BENENCASE (Brasil, – 1975)
/ Arr. Dailton Lopes
“Pic Nic Trágico” (valsa sentimental)

Disma BRENTEL (Brasil,1917 – 1995) / Arr. Dailton Lopes
“Americanense” (dobrado)

Disma Brentel

Nascido em Americana em 19/02/1917, filho de Pedro Brentel e Sanita Panaro.

Já aos 10 anos, começou os estudos de música e, em 1936, ingressou na Banda de Música da Força Pública do Estado de São Paulo (atual Polícia Militar), ficando até 1960, como maestro, quando em 1959 pelo Conservatório Musical de Santo André em São Paulo, como regente da banda, trompista e compositor de música popular.

Nessa mesma época, foi músico trompista da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal de São Paulo, na Orquestra da Rádio Tupi e na Orquestra Panamericana. Em Americana, tocou na Orquestra Sinfônica e foi Maestro da Banda Municipal.

Foi professor na Escola de Musica de Piracicaba, de 1961 até 1975, lecionando aulas de trombone, pistom e trompa.

Foi considerado pela classe musical um dos melhores trompistas da América do Sul na década de 1950.

Foi figura principal na formação do Conjunto da Saudade, onde, com seu esforço e o dos seus colegas, conseguiu levantar a Sociedade Recreativa Dançante Veteranos de Americana.

Casado em 1939 com Helena Crevelani Brentel, teve dois filhos: Jayme e Ada.

Entre suas composições, destacam-se: “Valsa Americana”, dedicada á cidade, gravada por Mário Zan, que na época, vendeu 40 mil cópias; o dobrado “Americanense”, gravado na RGE pela Orquestra Simonetti; a valsa “Cidade Azul”, o Hino dos Bombeiros de Americana e o hino da FIDAM.

Recebeu o Cartão de Prata em 1970 como maestro do Conjunto Musical Seresteiros da Princesa.

Foi destaque em 1976 pelo Clube dos Veteranos de Americana.

Faleceu em Americana em 26/11/1995.

Serviço:

Sinfônica Convida @ Maria Emilia Botelho
Quando: Domingo, 07 de Agosto de 2011
Horário: 20h
Onde: Igreja Presbiteriana Central
Onde: R. 7 de Setembro, 363 – Centro – Americana / SP
Entrada Franca

Fonte: Assessoria de Imprensa de Americana

Abasteça-se

1 comentário
  1. Ivete Brentel Fernandes disse:

    Disma Brentel, meu tio; orgulho para mim e para Americana. Com saudades, Ivete.

Comente //

Agenda

ver todos
Quecorralavoz no Facebook
Quecorralavoz no Twitter
Quecorralavoz no G+
Receba os posts por e-mail