Aos fãs de Woody Allen, é um privilégio que eles possam ter um diretor que lhes transmita uma segurança de que, no ano seguinte, eles verão um novo filme dele estrear no cinema.

Esta sexta, 29 de junho, é a vez do Woody Allen versão 2012 ser lançado nos cinemas do Brasil. Para Roma, com Amor é mais um apanhado de várias histórias hilárias e caricatas – e o melhor, com Woody Allen também no elenco.

Além de hilário e com novas frases de efeito, Para Roma, com Amor é formado por uma sucessão de sarcasmos com o amor e a hipocrisia, com o fato de que as pessoas transformam gente com ou sem talento em celebridades e com ele mesmo, interpretado (ou interpretando) um diretor musical que mesmo com insucessos não quer ser um aposentado.

Para Roma, com Amor

Desde Scoop – O Grande Furo, não víamos Allen estrelando uma de suas direções. E não deve ter sido incomum que as pessoas procurassem nos homens e nas mulheres de seus últimos filmes o quão bom eles foram em ser Woodys Allen. Não há dúvidas de que todos se esforçaram, incluindo as ótimas Scarlett Johansson no próprio Scoop e Evan Rachel Wood em Tudo Pode Dar Certo, mas ninguém alcançou tanto êxito em ser Woody Allen em um de seus filmes – além dele mesmo, é claro – quanto Owen Wilson em Meia Noite em Paris, um dos melhores do diretor.

Pode ser que esse exercício de procurar nos atores o que eles conseguem transmitir de Woody Allen estrague um pouco com as expectativas do novo filme. Primeiro, porque o Woody Allen está ali, já é o suficiente e ele deve ser admirado em todas as suas passagens geniais. Segundo, com gente como Alec Baldwin, Penélope Cruz, Judy Davis, Jesse Eisenberg e Ellen Page no meio das histórias, Roberto Benigni é o que mais perto consegue chegar de ser uma interpretação do senhor sábio dos cinemas, com atenção essencial para a cena em que ele se debruça no galão de água no escritório, durante papo com os colegas de trabalho. Terceiro, porque todos os outros estão ótimos em seus papéis e talvez não precisem se parecer com o que os dirigiu. Portanto, esta não é uma atividade necessária em Para Roma, com Amor. As pessoas devem se contentar porque Woody Allen está ali e curtir as histórias do novo filme.

Hoje é dia de procurar um cinema que exiba sessões de Para Roma, com Amor, agradecer por mais um filme de Woody Allen, e torcer para que ele morra só daqui a “50, 60 anos”. Lembrando que Woody Allen, além de genial e muito generoso por dividir com seu público um filme por ano, é também um ótimo guia turístico – dessa vez da capital italiana.

Nenhum comentário neste post.

Comente //

Cinema

ver todos
Quecorralavoz no Facebook
Quecorralavoz no Twitter
Quecorralavoz no G+
Receba os posts por e-mail